Posts com Tag ‘Infraestrutura’

Ola Pessoal, tudo certo?

Hoje venho falar de um problema bastante recorrente nas fases de implantação do OBIEE11g e que na grande maioria das vezes tem força para levar o projeto em questão ao desastre.

Presentation Cache, ou Cache de Apresentação do OBIEE.

Quando os usuários acessam ou executam objetos, como consultas, agentes, alertas e etc, O Presentation Services armazena em cache os resultados das consultas executadas em sua fonte de dados. Esse tipo de cache é um cache de resultados do cliente.

Nas análises subsequentes que forem executas, o próprio Presentation Services determina se pode usar os resultados em cache (com a ajuda do sagetsharedrequestkey, função ODBC) ou se terá que fazer uma nova consulta na fonte de dados.

Os arquivos do cache de Apresentação têm nomes como nQS_xxxx_x_xxxxxx.TMP e são criados pelo driver ODBC.

No OBIEE11g, podemos encontrar este arquivo no diretório “ORACLE_INSTANCE\tmp\OracleBIPresentationServices\coreapplication_obipsn\obis_temp”

Este tipo de cache é extremamente útil para melhorar a performance do OBIEE, porém em alguns casos ele pode te gerar uma bela dor de cabeça, por exemplo, se imagine em fase de desenvolvimento, onde os dados mudam com bastante frequência, precisamos sempre acessar os dados atualizados e muitas vezes esse recurso de cache atrapalha bastante.

A dica que trago hoje, é na verdade um procedimento bastante simples, mas que salva muitos empregos por ai…rsss

Como dar um by-pass no cache de aprensentação do OBIEE?

1 – Acesse o seu arquivo instanceconfig.xml (não se esqueça sempre de fazer um backup do mesmo antes de alterá-lo) localizado em “ORACLE_INSTANCE/config/OracleBIPresentationServices/coreapplication_obipsn/”;

2 – Dentro da tag <SERVER_INSTANCE>, la no final do arquivo, adicione os seguintes parâmetros:

<Cursors>
    <ForceRefresh>true</ForceRefresh>
</Cursors>

3 – Salve seu arquivo e reinicie os serviços de apresentação do OBIEE.

Pronto, agora você não está mais trabalhando com cache de apresentação.

treinamento

 

 

 

Vale lembrar que no ambiente OBIEE11g também podemos controlar o cache físico, ou seja, o “BI Server Query Cache”. Esta política precisa sempre ser bem definida para que o usuário não corra o risco de estar consultando dados obsoletos.

Abraços e até a próxima

Felipe Idalgo

 

Ola pessoal, tudo bom?

Um assunto bastante requisitado pelos leitores do blog OBIEE Brasil já a algum tempo trata das questões de performance de execução de analises e dashboards no OBIEE 11g.

Começaremos hoje uma série de 4 posts que tratarão deste assunto, a ideia é dar dicas eficientes e simples para que vocês possam coloca-las em pratica no seu dia-a-dia.

Nesta primeira parte trataremos as questões relacionadas a instalação e parametrização de seu ambiente.

Quase que invariavelmente, quando sou chamado para realizar um atendimento relacionado a baixa performance do ambiente me deparo com problemas na instalação e parametrização do produto OBIEE.

Os binários de instalação do OBIEE, quando disponibilizados pela Oracle, seguem padrões de configuração para garantir que a aplicação funcionará com os mínimos recursos disponíveis.

É imprescindível que após esse processo de instalação, as customização, ou seja, as adaptações necessárias sejam efetivamente realizadas no OBIEE. Isso garante a melhor eficiência da ferramenta para o hardware e software disponibilizados.

DICA 1 – Matriz de Certificação

Garanta que seu ambiente esteja de acordo com a especificação da matriz de certificação do produto instalado.

No site da Oracle, no link abaixo, encontramos a matriz de certificação da última versão disponível do OBIEE 11g (11.1.1.7.0).

http://www.oracle.com/technetwork/middleware/ias/downloads/fusion-certification-100350.html

Como podem ver abaixo, lá temos diversas informações, desde as versões de S.O. homologadas pela fabricante, até as versões de browser que podemos utilizar para acessar nossas analises e dashbords.

matriz_certificacao

 

 

 

 

 

 

SEMPRE devemos seguir essas premissas no planejamento da construção de nossos ambientes, caso não seguirmos isso fielmente podemos ter diversos problemas, desde uma funcionalidade comprometida, até mesmo a não assistência por parte do Suporte Oracle por conta de um planejamento mal realizado, ou seja, um ambiente não homologado.

DICA 2 – Instalação do OBIEE

Após definirmos quais produtos serão utilizados e principalmente, quais versões serão adotadas, devemos preparar nosso S.O. para receber a aplicação. Em outras palavras, precisamos configurar/instalar as ferramentas que são pre-requisitos para o funcionamento do OBIEE.

No roadmap de instalação que pode ser acessado no link abaixo, temos o passo-a-passo que deverá ser seguido para a construção de um ambiente de OBIEE.

http://docs.oracle.com/cd/E28280_01/bi.1111/e10539/c1_overview.htm#BIEIG336

Qualquer um dos passos que deixarem de executar pode lhes trazer problemas, que neste caso vão desde a impossibilidade de conclusão da instalação do produto até um problema mais silenciosos e de difícil detecção.

Sempre busquem seguir as documentações oficiais da Oracle ou de seus colaboradores (blogs oficiais, blogs de ACE´s e etc)

Obs.: Se atente ao modo de instalação escolhido, cada modo tem uma finalidade especifica, por ex.: uma instalação simples é indicada para aprendizado e demonstração, não para ambientes corporativos.

DICA 3 – Parametrização e Tunning da Aplicação OBIEE

Por ultimo, após concluir sua instalação, garanta que a aplicação esteja utilizando todo o poder do software e hardware disponibilizados para tal finalidade.

Como o OBIEE 11g roda em cima do servidor de aplicação Weblogic (diferente da versão 10g que era implantado no Oracle Application Server ou OC4J), temos que prever neste passo de otimização de ambiente, além da otimização do OBIEE, também a otimização do Weblogic Server.

Sempre após a instalação de um ambiente, se certifique de aplicar as configurações de tunning descritas no tech note id: 1333049.1

https://blogs.oracle.com/proactivesupportEPM/entry/wp_obiee_tuning_guide

O whitepaper acima lhe trás parâmetros básicos para otimização de seu ambiente, digo básico, pois TUDO pode ser alterado de acordo com o que “você tiver em mãos”

Nesta “doc” podemos conferir as melhores práticas para:

– Otimização de suas JVM´s;

– Parametros de Tunning para o Weblogic Server;

– Parametros de Tunning para os componentes do OBIEE (OBIS, OBIPS, OBI Java Host e etc);

– Parametros de Tunning de SO e muito mais…

Até a próxima semana com a parte 2 desta série de posts.

Grande Abraços

Felipe Idalgo

 

 

Olá Pessoal,

Segue o script de apoio a minha palestra sobre tunning do OBIEE 11g no CONABI 2014.

Lembrando que temos diversos parâmetros que podem ser alterados para uma melhor utilização do OBIEE nos diversos ambientes possíveis, cada ambiente tem sua particularidade e é importante sempre observarmos as diferenças entre eles.

Para fazer download do material basta clicar no link abaixo

Tunning_OBIEE11g_SOeOBIPS_CONABI

Abraços

Felipe Idalgo

Formação OBIEE 11g (online)

Formação OBIEE 11g (online)

Olá Pessoal, hoje venho aqui passar um procedimento bastante simples mas que todo mundo um dia já teve dúvidas a respeito, o de implantação de repositórios de metadados do OBIEE.

O repositório de metadados do OBIEE, também conhecido como RPD pela sua extensão (.rpd), nada mais é do que um arquivo que armazena metadados do Oracle Business Intelligence. Estes metadados armazenados definem as estruturas que iremos consumir através da ferramenta de apresentação como esquemas físicos de banco, arquivos, esquemas lógicos, mapeamentos físico-lógico e outras estruturas mais.

A implantação deste arquivo é necessária para que as fontes de dados possam ser consumidas através dos serviços de apresentação (Ex.: criando uma análise, painél e etc).

Para realizar a implantação de um RPD, siga os passos abaixo:

Com os serviços do OBIEE iniciados, abra o navegador e digite http://obiee:7001/em para acessar o EM (Enterprise Manager);

1

Coloque o usuário e senha de administração do ambiente;

Após carregar a página do EM, expanda no canto esquerdo da tela a seção “business intelligence” e depois clique em “coreapplication”;

2

Agora já na guia “Visão Geral”, clique em “Interromper” para interromper os serviços dos componentes do OBIEE;

3

Clique em “sim”;

4

5

6

Agora vá na guia “Implantação” e clique na sub-aba “Repositório”;

7

Clique em “Bloquear e Editar configuração”.

8

9

10

Clique em “selecionar arquivo”, selecione o seu repositório, coloque a senha do repositório;

11

Clique em “aplicar” e depois em “ativar alterações”;

12

14

16

Vá na guia “Visão Geral”;

17

Agora clique em “Iniciar”.

 

 

18

19

20

Abraços Pessoal

Felipe Idalgo

 

banner_treinamento

Ola Pessoal tudo bem?

Tive um problema estes dias com o OBIEE ao tentar abri-lo pelo Internet Explerer 9.

Esta versão do IE não é compativel com o OBIEE 11G.

Os problemas que notei foram travamentos constantes durante a navegação entre painéis e construção de novas análises.

Para resolver o problema alterei as configurações de compatibilidade do browser conforme demonstro abaixo.

figura1

O IE 9 mantem compatível com as versões antigas do browser toas as paginas abertas para este IP ou o hostname.

figura2

 

Este problema já não ocorre mais na versão do OBIEE 11.1.1.6

Abs.

Alan Viegas

Continuando o assunto sobre a integração do Google Maps com o OBIEE, vamos agora demonstrar como utilizar os Mapas do Google no OBIEE.

Após importar as camadas do Mapviewer vamos agora associar um tema a uma coluna na camada de apresentação do OBIEE.

No nosso exemplo vamos utilizar o tema THEME_DEMO_STATES que apresenta a sigla dos estados abreviados com a coluna de apresentação “Cust Regions”.”C54 State Code”

Selecione o tema desejado.

ybrvgHsfIMsOIzch7GhBr7y7Ypd43v2y5xnVmdhKOWjPArp2pUU7kMs1BWThcLZqsqz7p4hZh7HxahFj02Y_tGZKSlYDF2y7042jhiiLpORkR27VW8I

Edite o tema e click no sinal de +

5V8HL9EDmfz33Wz7PiI6JnwZSOxYoCQh7c-tnYl4Bw74We2YpGsU4hGcFpob3ZU0faUZhHQNpU_N5X7RnFlCDTTeNmFW1I-hX1s7I4e9-ZNUNfx46v0

Selecione a coluna desejada, no nosso caso, “Cust Regions”.”C54 State Code” e click em ok.

tZHU305SNx6BLEBMB2wxFBruUx2zQsdEA8sM_5shJYnJkynbLYBGz1EoevLFwkvVXwpmuDW1hxIf5rWsLGpVCAm59yYaeHJhDph_KNslZUgjumeSftw

Click em ok novamente

HeOcBpGprlG0-RNWyQqmx4VqvroSYWBahwS0_VEanMfXdafZdTFYE2ALkDJrR7wb6eRxTdUKlLX8Enh6AhEKCaRkc9vNs4gr87OpKepSBsdxv8h_gWY

Clique em Editar Mapa de fundo e clique em definir níveis de zoom associados com dados de BI, vamos definir 9 como o nível de zoom e 2 como padrão, como mostrado abaixo.

DgS5f_GGq06At-iLZZ003_UAarKSXjLyVHH3HTQzUP7FcuDYXm0-H42rwMAwSFQRb8AZx7iQjXDKV30uML7XYWAaP6HZKlIhPOw331fNcqqUlpIj_2g

a5q3dH6xWz_zXafCWgggVMraP4EwtAP_DVu6Y33cve-EEmBqkrybCnr2z67Tti6g6l3EOzmEzZTFiQ3o97oH7rzQZcK1eKVmU4VDu-cri2M4bhuFnsU

Selecione o tema que estamos utilizando.

Y7A7kAiYeAHfs4EBpksyERhREl8Yu6fULgNyQ3YLHHpmpSvxjpSmMGsnA7snRh0Mfqk_Yg6vk1W4MHDxPKObQrniYB9Y8Bu9qjCvahvycmrRgveVNE0

Selecione até o nível 9 e deixe marcado o nível 2 e click em ok.

kO9C0JsJ9hLWOMOTmWp3-ouM2m0bdxSKljI_RLbYULzroe6D2T3rYUvcA2Buo2NwjtH0sm0Ae6mmyB6pZYE70SWnVZHgWOTjgzZL52DT2Fm3fR1Rpw8

A partir de agora a coluna “Cust Regions”.”C54 State Code” esta associada a um mapa de segundo plano.

Vamos agora criar uma analise para demonstrar o uso do mapa.

Selecione a coluna “Cust Regions”.”C54 State Code”, “Time”.”T05 Per Name Year” e “Base Facts”.”1- Revenue”

_OTSahSVTxA2CjKi8QdhfPRc50KfwGoMAtKI1uc62MqNqjoGijn3W2-THjLvovohyLThHinBLVdgYv8NOg9k6CDN4mB6suK0IXdTM_RCSm_iTx8dLJA

Na tela de resultados click e nova view e selecione Maps

W3piotUH5_IlS4AbVVmVvNU7Gd-1YK3Ti_g8xlCNJrlzHCcs6zFMhV4_XTzsYNjoROAL9donwQ5MQxb0LgD-kDuEcnI5xtoCzV0_KqpPdRp0ha4LTzw

Edite o Mapa

sR3N0DKpnx64g-HcRtZuod_q9jCmNQpswwL_PmEwgTKZalEk5Bm3YL4MDGiCAbM4r7qGIImv6eEw2i0DhIUkIamK0TRudqVq9bTcjIfs_zaGYT4wLrw

Modo Edição

LnDFTRlM2pCWkyQ3jAi_SAZMXLX2vWgu8yH8AuETRiP-NHrFy-jB7AbTqOhlznwQ92WUDyNf8wN1_fbslVoSO1gY9GAKCLmaypqejv9Pg9Jdwa1a0EY

Click em Novo > Preenchimento de Cores

8EtX-yP3TjdaxaOoOWUr98sjBYKI9LJRsNv90O53GjE7NH8Ia9MQW-m4d0Kvi0NHzdfncso4S9umw4L0vM5wiBMM32aYC-9oycccfrzJ22YGZ6TtpeQ

Selecione as cores desejadas e click em OK e depois em concluído.

7UwMYsbLMcNqcee-AXrRyqlp-oXpQ2zHarbwyqB-NvJv3WWiM_hL2W_UpLFuf1Lg77E4MeVg2mDSKWZGktJDI14MP1uF7lPkmrcVdAgpDzg5Mdn8mwI

O Mapa abaixo demonstra em cada estado, através das cores que definimos as três situações possíveis.

tNV1nBkokQF9Ahxa6lqIBKx3Ghk_A-0fUT9NGzs2Gvpr79BJ4w3JKWf9NcI7rSAGmj2VJYhT5ogUqUZkb78iQ-a_rwWZoqMrazFEgo6YHYhBrBz0OI8

Exemplificamos aqui um indicador de cores simples, mas também é possível adicionar gráficos de barra, pizza, bolha, etc.

Existem muitos recursos de interação com mapa, no futuro vamos explorar mais estes recursos.

Até a próxima

Alan Viegas

 

Olá pessoal, mais uma vez  estou aqui para falar um pouco sobre técnicas de migração do Oracle Business Intelligence.

Desta vez abordaremos a migração de um projeto desenvolvido no OBI 10.1.3.4 para o OBI 11.1.1.6.2 BP1 (última release disponível em Ago/2012).

Foi disponibilizado previamente um servidor com a versão 11.1.1.6.2 BP1 do OBI instalada para a realização deste procedimento.

Esta migração será realizada através do “Upgrade Assistant“, este utilitário basicamente serve para recompilar o RPD e o Webcat da versão 10g para a 11g.

Para a nossa grande sorte, rs, foi detectado um bug na suíte que impossibilita a migração direta de uma versão 10.X para a 11.1.1.6.2 BP1, portanto precisei fazer o rollback do patches aplicados no ambiente 11.1.1.6.2 BP1 realizando um “downgrade” do OBI para a versão 11.1.1.6.0. A partir dai o procedimento foi realizado sem novidades.

Passo para a execução da migração

1 – Como a migração através do “UA” só abrange o RPD (modelos, segurança e etc) e o catálogo (analises, dashboards e etc), todos os arquivos customizados no ambiente 10g precisam ser atualizados manualmente no novo ambiente.

 

 

Como não havia customizações no nosso ambiente de origem, apenas se faz necessária a configuração do TNSNAMES para que o novo ambiente consiga enxergar as bases de dados utilizadas.

Para realizar essa configuração basta copiar o arquivos tnsnames.ora do servidor de origem e colar no diretório diretório %ORACLE_HOME%/network/admin, como mostrado na imagem abaixo.

2 – Após a configuração dos acessos as bases de dados, precisamos enxergar o diretório onde estão armazenados nosso RPD e nosso WebCat através do nosso novo servidor (onde foi realizada a instalação da versão 11g), no meu caso compactei os arquivos e transferi para meu novo server.

3 – Execute o Upgrade Assistant, localizado em %ORACLE_HOME%/bin e siga para a próxima tela

4 – Como pode ser visto nesta tela, o UA nos permite realizar uma série de tipos de atualização, tais como schemas de banco, objetos do catalogo de apresentação e até mesmo o repositório do BI Publisher. Selecione a opção de atualização do RPD e Catalogo.

5 – Nas etapas 3 e 4 precisamos informar as definições dos objetos que serão atualizados e os dados para conexão do novo servidor

 

6 – Nas próximas telas podemos ver algumas informações sobre o procedimento que está sendo executado, como location dos logs, evolução e etc. Clique em upgrade para executar a atualização.

 

Após a conclusão da atualização você já poderá acessar os projetos antigos no novo ambiente.

NÃO SE ESQUEÇA DE REAPLICAR TODOS OS PATCHES CORRETIVOS, ISSO É EXTREMAMENTE IMPORTANTE PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DO AMBIENTE.

Você poderá se informar sobre as novas atualizações no suporte da Oracle, segue o link

https://support.oracle.com

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

  • Para realizar o processo de upgrade, todos os serviços do servidor de destino precisam estar iniciados.
  • É indicado que após a realização do procedimento seja feito um refresh dos GUID’s dos users.

Espero que tenham gostado!!!!

Abraços

Felipe Idalgo